Paulino Vergetti  Neto_escritor

Meu_Tear Literário_

Meu Diário
22/03/2007 21h08
Corot
Órbita sobre nossas cabeças, o Corot – telescópio espacial, fabricado com a ajuda dos nossos cientistas do INPE (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais). Os primeiros dados enviados por ele já estão chegando aos nossos cientistas do INPE. Que beleza! Parece um filme de ficção científica, mas é a realidade que estamos atravessando. Essa parafernália voadora receberá fidedignas informações sobre o brilho das estrelas de além do nosso Sistema Solar.
E os nossos parlamentares “Corot” por que não já acharam o brilho de nossa economia tão baça? E preciso que imitem o Corot e procurem achar o brilho de governar sem letargia, com seriedade e força. Não dá mais para se esperar pelos passos do tal PAC. As metralhas do desgoverno já estão enchendo as ruas do crime e do desemprego. Nossas crianças – estrelas estão habitando a substância cinzenta, aquelas recém-descobertas pelos cientistas que não possuem o poder de emitir a luz e, portanto, não brilham.
É tempo de Corot, mas não de cortes nos programas sociais. É tempo e hora de acabar com o desvio de verbas, os salários aviltantes de poucos e os miseráveis soldos de outros. Fazer lei, apenas, não é do que necessita o povo brasileiro. Queremos emprego, educação, saúde, segurança pública.
A sociedade está atrofiando as esperanças. Eleições viraram motivos de insônia para tantos. As urnas parecem não ter revelado, em alguns, o que deveriam ter revelado. Um símbolo de exportação do processo eleitoral da democracia brasileira parece ter bichado. O que há com as urnas eletrônicas cantadas como incorrompíveis? São ou não o são? Ganha quem ganha ou perde quem ganha? O Corot apenas iniciou a caça ao brilho das estrelas do céu. Por aqui, parece reinar o inferno desiluminado da procura pela veracidade das informações. Algum brilho sumiu, alguma estrela se apagou. E haja Corot para desvendar tanto mistério luminoso.
E o povo continua na mesmice do pós-pleito, sem alcançar os frutos das leis e, de barriga vazia e pés descalços, não tem dinheiro sequer para comprar um jornal e ler. Ainda se lesse, muito lhe faltaria para saber tanto o que seria o Corot, quanto o que faz e para que serve.
Algo que sobrevoa as nossas cabeças, feito por humanas mãos que freqüentaram boas Universidades, e o povão, a única coisa que poderia saber é que esse montão de ferro e lata pode cair desgovernado, como desgovernado parecemos estar.
Mas há a mão de Deus que a tudo protege. Corot, PAC, tudo isso é novidade. O primeiro já está dando os frutos prometidos, enquanto o segundo nem sua floração iniciou. Quem sabe não teremos boas safras de empregos e outros frutos? Esperar, porém não muito como antes, não exige ingresso, mas apenas expectativa e atenção. Vamos ver no que vai dar tudo isso?

Publicado por Paulino Vergetti Neto em 22/03/2007 às 21h08

Site do Escritor criado por Recanto das Letras