Paulino Vergetti  Neto_escritor

Meu_Tear Literário_

Meu Diário
28/04/2007 20h17
Ouro ao Bandido?
Esses americanos do Norte, de tolos, não têm nada. Invadiram o Iraque e ninguém me convence que não tenha sido por dois motivos: manter presença bélica viva na região e ter mais fácil e próximo de si, o valiosíssimo petróleo do subsolo.
A Fhoenix Gems, uma empresa especializada em exploração de jazidas de pedras preciosas, comprou o direito de exploração do ouro na reserva brasileira de Carajás – a famosa Serra Pelada – o que lhe dará, sem sombra de dúvida, ótimos dividendos. Arrepio-me de medo só ao lembrar que Serra Pelada é Amazônia Legal e ainda ouço a frase conhecidíssima: “integrar para não entregar”. Acho que estão entregando o ouro ao bandido, literalmente falando e ainda mais palavras que não são ditas aqui, por conveniência, eu acredito.
A Fênix, aquela deusa mitológica grega que renasceu das cinzas, lembram-se? vem, agora mudada, enriquecer com a lama jazidual de Serra Pelada.
O Brasil, que tanta tecnologia para exploração de petróleo domina, não teria condição de desenvolver os meios para a exploração dessa jazida? Ouro é ouro, soberania é soberania. Se eu decidisse, coisas haveria do lado de cá do planeta que neguinho de lá jamais saberia. Não sei se é só o ouro de nossa floresta que eles desejam, ou as florestas dos nossos ouros.
Se nossas autoridades não abrirem os olhos, a vaca pode ir ao brejo de Carajás ficar atolada e o nosso ouro sair no lombo de pequenos bimotores até as fronteiras mais próximas da região, e aí, adeus Zé, que nem o vento guardará seu cheiro já que a cor terá ido há mais tempo ainda para bem longe.
Ouro remanescente uma ova! Serra Pelada tem ouro que não acaba mais. Eles dizem que não exploram esse tipo de ouro. Duvido. Vão mesmo é iniciar um grande império de extração mineral que Deus sabe até onde poderá chegar daqui a alguns anos.
Esses valores materiais levam os homens a buscar outros valores, nem sempre maiores e éticos. Nessa caça ao substrato do poder, as guerras inquietam inocentes que apenas margeiam as áreas dos interesses excusos. É importante não se ceder ao capricho desse povo no mínimo estranho. Entre nós podem se transformar em uma praga poderosa e quando nos dermos conta do mal que produziram, será tarde demais para tentarmos algum conserto.
O orvalho amazônico possui gotas aveludadas de riqueza. É tanto esta que desperta interesses em grande parte de outros governos. O fim do dia traz sombras estranhas e, enquanto dormimos quietos, outras sombras por nós arquitetadas constroem um pesadelo que poderá causar-nos prejuízos irreparáveis.

Publicado por Paulino Vergetti Neto em 28/04/2007 às 20h17

Site do Escritor criado por Recanto das Letras