Paulino Vergetti  Neto_escritor

Meu_Tear Literário_

Meu Diário
24/06/2007 09h12
Irmãos da onça!
Só cego não vê, apenas surdo não ouve o que está perfeitamente claro ao olhar da sociedade. A família do Presidente Lula, seus dois irmãos ao menos, tem a alma atolada nestas nodosas manchetes recentemente vistas e apresentadas pela imprensa nacional. A preocupação maior agora é desavisar a população para que ela não entenda que o ambiente fático desse escândalo todo é real! Enganar mais a quem? Só mesmo nesse pai se concebe tal absurdo. Há um escândalo aportado na família do Lula. A segunda parte dessa história é com a justiça.
Em um primeiro tempo, pudemos ouvir do Presidente Lula e de seu vice que esse tal Vavá não seria capaz de tamanha safadeza. As ligações telefônicas são mais do que suficientes para provar que estão sujos pela lama da corrupção descoberta nos dias últimos. As provas são cabais. Só não acredita nelas o olhar parcial dos defensores do imundo. O cheiro de podre é sentido e sabe-se de onde ele vem e ainda há cristãos querendo encobrir toda a imundície, sabe-se lá o porquê.
Por muito menos do que isso o Senador Fernado Collor sofreu impeachment – eu diria hoje, injustiçado. Uma Elba usada foi a prova suficientemente vergonhosa para derrubá-lo do poder. Hoje, multiplicado por mil, ainda não se tira ninguém, nem muito menos se condena um desavergonhado achado com a mão na massa. Se eu fosse o Collor, pediria uma gorda verba de indenização por danos morais, e que lhe caberia de sobra.
Um dos fundadores do PT, o Presidente da República, defende o irmão, cheio de evidências de que esse curvou ao errado- um irmão não, dois-!
Nunca vi tantos esquemas de corrupção serem descobertos e ficarem impunes, como os acontecidos nos dois governos petistas do Presidente Lula. Tem-se a impressão de que o valor maior está na denúncia dos fatos e não em sua punição.
O filho do Lula, a imprensa o evidenciou com escândalo menor; agora é a vez dos seus dois irmãos. Até onde irá mais ser evidenciada a primeira família? Se o regime do Brasil fosse parlamentarista, já não mais existiria nem o retrato do primeiro ministro desse governo. É vergonhoso ser brasileiro nos últimos seis anos. Os frutos desse governo não me convencem de que ele não seja abominável. De certa forma isso foi bom para mostra à oposição - PT - que o poder tem força para modificar idéias e ideais. Os fortes podem ficar fracos, e os fracos tornarem-se fortes imperadores. Os quadrilheiros de plantão sabem a hora exata de apossar- se das bandas podres do governo e com isso fazer reinar a anarquia e o casuísmo.
Não podemos esquecer de que nosso único e eficiente antídoto para toda essa cachorrada que aí está instalada e viva será nosso voto . Não poderemos deixar governar qualquer semente desse desgoverno, para que nossas colheitas não ofereçam apenas o joio para nossos pósteros.
Basta de tanta farsa de tanto improviso de mentira. Esse povo deve fazer teatro, engendrar peças melodramáticas ou, melhor dizendo, sair de cena para sempre .
Hoje o brasileiro é sabedor de que em toda grande instituição brasileira há um escândalo descoberto.Vamos ver no que vai dar toda essa recente enxurrada de denúncias fundadas. Vavá não é tão bonzinho como disseram Lula e seu vice. Os grampos telefônicos acharão a verdade de tudo, só não sabemos mesmo é se vão grampear e arquivar os dados probatórios em algum texto de ficção. ( Contos de Brasília )
Estamos de olho, presidente, agora na família toda! Brasília não é mais o paraíso de antes: nela habitam e reinam anjos nus desgarrados do “senhor”, o poderoso chefão – mas que são anjos! E, assim como no passado, o inferno de hoje não mudou: nele também vivem anjos enganadores e sorridentes!

Publicado por Paulino Vergetti Neto em 24/06/2007 às 09h12

Site do Escritor criado por Recanto das Letras