Paulino Vergetti  Neto_escritor

Meu_Tear Literário_

Textos

Outros ventos virão...
                          



Um Ano terrível se foi. Praticamente vimos o Brasil fundear na parte menos funda do lago negro da corrupção. Sofremos, protestamos, cada um a seu modo, e uma multidão de brasileiros foi à rua barulhar para pedir ordem na casa. Conseguiram ser vistos. Abusar dos direitos sociais, agora, ficou mais difícil. O povo não é mais o mesmo. Os mais tolos estão menos tolos.
As prisões foram parciais. Não sei o porquê de não terem prendido o ex Presidente Lula e a ex, Dilma Rousseff. O Lulinha está nesse punhado esquecido pela justiça. Tiveram medo do Day After da prisão desses anjos do mal?
Creio que a tempestade passou, apesar de ainda haver ventos muito fortes, capazes de derrubar grandes instituições, desmoronar ordens político-sociais. A Democracia não está salva de tudo. Mesmo fora da UTI o Governo brasileiro ainda respira com máscara de oxigênio. Inspira cuidados intensos e permanentes. O Legislativo está devendo quase tudo, ou tudo, ao povo brasileiro. Bem que poderia ser dissolvido, e convocarem a população para eleger novos legisladores. O Congresso que está aí não merece ser respeitado. Sua maioria apodreceu.
E o STF? Não aguento assistir uma sessão desse Poder. De seu barulho saem coisas inimagináveis. Parece que cada juiz é um ministro de si mesmo e que não há um Norte que ajunte os pontos de vistas do grupo, como se entre eles houvesse uma só lei. Se alguém disser que água é vinho, a votação não sai em consonância com o relator. Vejo um desfile de Egos deslizantes, homens que discordam do axiomático, principalmente diante das câmeras.
O Executivo está com os dois pés atolados no lamaçal da Lava Jato. Ainda não consegui enxergar quem escapará de uma rígida averiguação de qualidades e defeitos. O pó do Congresso Nacional é pior do que o mais ácido dos ácidos conhecidos. Pagamos impostos que são mal administrados, usados para o enriquecimento ilícito de um caminhão de autoridades, distribuídas entre os três Poderes da República.
Parlamentar cuspir na face de outro colega. Onde já se viu uma coisa dessa? Valores mundanos são incluídos nas leis e rogados a serem respeitados, quase idolatrados. Poderia existir alguns que soubessem dirimir dúvidas, desmesurar as ausências nas presenças, o moral do imoral. Em nome da Família Brasileira, pouco ou quase nada é feito. Há um vento torporoso rondando o Congresso Nacional, que embebeda o Poder que realmente é Poder. Quando as luzes da Democracia se apagam, há um alvoroço de defesas e de sentimentos. O imprestável reina e se fortifica. No dia seguinte um grupo que se auto denomina de minoria excluída, se traveste de parlamentares e retorna ao lugar onde as ordens são desfeitas.
Natal de Luz!
Espero que tenhamos um 2017 cheio de Deus e de amor. Basta de atropelos e desfiguração do belo. Nossos costumes estão sendo postos ao sabor do vento, que tem levado para bem longe de nossos olhos e de nossos corações, o que é ainda pior. Mesmo assim desejo aos meus leitores e aos amigos que têm me permitido escrever e publicar meus textos. Minha gratidão virá em forma de promessa de esperanças em um 2017 bem melhor do que este ano que jaz agonizante, deixando lições importantíssimas para casa um de nós.
Feliz Natal a todos. Um Ano Novo que seja muito além do que apenas Venturoso. Não poderemos ser saqueados por outros BANDOS MISERÁVEIS, como os que nos saquearam nos quase últimos 20 anos. E por merecermos um governo bastante diferente é que deveremos entrar 2017 com muitas orações e a convicção de que o mundo brasileiro será novo, ordeiro, feliz e promissor.
Paulino Vergetti Neto
Enviado por Paulino Vergetti Neto em 27/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulino Vergetti Neto.(paulinovergettineto.blogspot.com/)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras