Paulino Vergetti  Neto_escritor

Meu_Tear Literário_

Textos

Virada!


Ó majestosa dor, enfim foste embora.
Pulaste deste monte alto de pedras,
abraçada com indigna saudade,
sem a deixar nos meus olhos,
muito menos no coração, que, de antemão, digo-te,
de nada faz parte, mais, em tua vida.
Hoje é dia de alegria
Vou viver para reviver o novo
no estouro da boiada,
quando este ano se for.
Teus olhos me ensinaram muitas coisas,
mas tua boca quase nada: falava, falava, falava...
nada dizia que eu pudesse guardar no peito,
logo eu que tanto amei: teu coração, teus beijos e tua alma.

Resolvi, no lugar da ideias, deixar-te uma lembrança forte.
Saí de nós, quase vida, quase morte,
mas, por amor a mim, sobrevivi.

Ouça o ribombar dos festejos do outro fim,
o do Ano Novo que se vai morto
me deixando alegre, e na mão,
coragem e força para amar, intensamente,
o novo, o louco, o incerto!

Preciso amar o imprestável que prestar dentro de mim,
e só assim ser o outro: alegre e livre como um pássaro.
Paulino Vergetti Neto
Enviado por Paulino Vergetti Neto em 27/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Autor: Paulino Vergetti Neto.(paulinovergettineto.blogspot.com/)). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras